Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Julho, 2012

Q: You talk a lot about that our problem is not a shortage of energy, but a longage of expectations. What do you mean by that?
Nathan Hagens: Energy has always been the main driver of societies, but for the last 30 years we were unable to pay for the energy supply we wanted on a real time basis, so we issued more money-as-debt to pay for it. So, the amount of financial claims that people think they own in aggregate now, is much larger than the ability of our productive infrastructure and natural resources to pay it back. So, even though our economic problems originated from the impact of harder and harder to extract and thus more expensive energy, the story now is the enormous amount of financial obligations in the developed and developing world. This dominates the energy story. For example, if interest rates go up everywhere 100 basis points, or from 1% to 2%, or 4% to 5%, the impact on the world economy would be the same as if oil prices rise from 100 dollars to 200 dollars per barrel. In other words, right now, we have built up such a huge financial balloon, that the risks from that popping and the likelihood that aggregate demand is going to decline will for the foreseeable future be even more severe than a 3 or 4, or 5% natural decline rate in oil. And of course once this happens, and commodity prices drop, a significant amount of what we have labeled as oil ‘reserves’ will disappear as prices go below marginal cost. It has never been about how much oil there is, only about the profits left over to society after extraction costs.
In America we still have an energy footprint around 100x our caloric use though – so there is huge room for constructing a different cultural narrative that uses less energy. Basically, we do not have enough cheap energy to continue a growth path, but we have a plenty of energy to have a meaningful, robust society at a lower level of output. Yes, we have an energy shortage, but it is not a true one. It is only one that does not allow us to continue global economic growth in the way that our politicians and institutions expect. This is important because the majority of peak oil aware people think we should be devoting our resources towards energy alternatives. The reality is that our system is out of ‘capital’ (low cost liquid fuels and by proxy, available credit) and lots of other aspects of society that we take for granted need more urgent support. We are getting lulled into thinking that efficiency and renewables are the answer to what we face when the more pressing problem is our dependence on globalization built on assumptions that are no longer valid.
Also, when I talk about expectations I mean in a brain/behavior sense. Our society -Europe and US and increasingly China and elsewhere – is habituated to high stimulation and high consumption. The key point I’ve learned from studying neuroscience and evolutionary biology is that it’s the ‘wanting’ that drives our behavior, not the ‘having’. And in our fast paced, gadget saturated world, our neural high water marks keep getting reset higher and higher. Every day we wake up expecting/needing a certain amount of dopamine/neural stimulation – and our culture has set us up to get these brain chemicals by consuming and competing for status using resource intensive ways. On a world with finite resources this is a problem as everyday people who already have everything they need, strive to get ‘more’. This ‘more’ ends up being taken from other people, other species, and other generations.We have to find ways to get our evolutionary derived brain ‘cocktails’ in more benign ways. This, combined with the energy/credit constraints we face, is why I label our situation a ‘longage of expectations’, as opposed to a ‘shortage of energy’.

Q: But you can’t tell that to 2 billions poor people without the access to our energy and to poor people in rich countries.
Nathan Hagens: Actually you can. People in, say, India are going to have much easier transition to an end to global growth than people in the US, because they have never got dependent on all these complex international flows and their brains have not gotten dependent on high level of stimulations and novelty, which when it goes away, people in the US and Europe are going to freak out from withdrawal. People in India are largely just going to keep on going thru their daily routines. So I think equitable distribution of energy and resources is important, but I think that to try to bring the 3rd world up to a industrialization trajectory, there is not enough energy to do that and it would not make their life better. I think there is a lot of low energy ways to improve poor peoples standard of living without going fully industrialized.
(Para o resto da entrevista – Post Carbon Institute)

Read Full Post »

Transition Voice

Editor’s Note: Last month we presented an interview with Nicole Foss that arose from our having met her at the ASPO conference. Contributor Helen Loughrey took that assignment and presented a very readable short interview with Foss, aka Stoneleigh, the co-editor at The Automatic Earth. This month we present the full but unedited version of that interview.

Loughrey: Of the three storms threatening our modern way of life – Peak Oil, Climate Change and the Economic Crisis – you focus your attention at The Automatic Earth on the third, less widely understood economic storm, specifically deflation. Your career background is in energy and Peak Oil, so why make the economic storm your main focus?

Foss: We were starting to write about finance at the Oil Drum Canada because the time scale is so much shorter than any kind of changes in energy supply or demand.  We decided to put the primary focus on finance at The Automatic Earth because of the time scale issue. It doesn’t have to happen tomorrow but the thing about deflation is you often get a certain amount of notice but you never know when it can suddenly go into high speed and it can take you almost by surprise.  In September 2008 we came within hours of the global banking system seizing up and so that’s how quickly it can unfold. That’s why we warn people that you can afford to be early preparing for deflation but you simply cannot be late. We want people to prepare soon enough so they don’t lose what they have in the systemic banking crisis. If they are prepared, then they will have the resources to fight the next challenge that comes up, peak oil and climate change. They have to get through the deflationary period if they are going to retain the freedom of action to deal with those crises. Because money is choices: if you have no money, you have no freedom of action, no choice in the world. You are completely at the mercy of what life throws at you.

In the short term the repercussions of the economic storm come faster. In the longer term, the energy storm repercussions will be massive. Actually the finance storm will buy us time in energy terms because demand and price will fall a long way. We will be swimming in energy for a couple years while demand is low. But this also means there will be no additional investment no exploration no maintenance which means the when the energy crisis hits, it will hit with a vengeance. So finance is rewriting the way the energy debate plays out.

Loughrey: Your message is that a severe depression – much worse, and lasting longer, than the 1930’s – is arriving soon due to the ongoing collapse of the credit markets. The government claims to have averted that scenario with the bank bailouts. Wall Street has rebounded with a DOW back up over 11,000. How do you respond to their official pronouncements of a recovery?

Foss: The recovery is an illusion. The measures appear to have worked because there was a stock market rally to support them. Rallies are kind to governments and central banks. They allow their interventions to appear successful because there is a public suspension of disbelief that supports their actions. But this rally is topping and is now very close to a sharp move in the other direction and that is going to undercut support for government policies.    If you remember, none of what Hank Paulson did in 2008 worked at all because we were in a declining phase at the time. Declines make central authorities look completely inept. Nothing they do gets any traction. Once we turn the corner into another decline, then nothing they do is going to appear to work. People are going to get angrier and angrier with government.

Loughrey: Many in the peak oil community believe that our current economic woes are the result of an energy price hike a few years ago. You point to other economic causes instead. Why was the energy price hike not a major cause of the recent economic downturn?

Foss: If you look at what happened back then, stocks topped in late 2007 but oil topped in mid 2008. The speculative bubble in oil prices was hot money trying to get out of stocks to find some other place to make money. The spike in mid 2008 to $147 per barrel was a massive speculative bubble. We said at the time that it would be followed by an enormous price crash and it was. This smaller speculative bubble will end the same way. Prices could go down quite sharply as low as $20 a barrel. There will be people who say that this oil price bubble will have caused our looming economic problems but that is not the case. Finance changes happen first. Peaks in energy typically follow peaks in stocks.

Because financial bubbles are Ponzi schemes, and are therefore inherently self limiting, they reach a top and they crash. What happens in the energy sector to oil prices tends to be a consequence of a financial crash, not the cause. Look at what happened in the thirties: the U.S. was the global swing producer for oil; they had a continents worth of the stuff. The only thing they did not have was money because they had a credit crash. You had a massive depression that lasted for ten years because you didn’t have enough money in the system and that is exactly what is coming again. The mechanisms are very much the same. You don’t need to postulate a shortage of energy to precede a financial crisis. Going forward shortages of energy will put a hard lid on any recovery and it will set up very serious political ramifications for resources grabs around the world.

Loughrey: You recently gave a speech at the annual Association for the Study of Peak Oil [ASPO] conference in Washington DC. As a former editor of The Oil Drum Canada, much of what you had forewarned about the banking system has since come to pass. How well is the peak oil community receiving your economic message these days?

Foss: They asked me to come back and speak next year so I think the reception at the conference was quite good. Those who disagreed with me didn’t attempt to argue points with me. One example was Jeff Rubbin. To paraphrase, he called my presentation a version of monetarism devised by a non-economist. Which didn’t make sense to me because monetarists don’t recognize the role of credit, and as I say credit is the absolute key to why we are going into a deflation.  If anything, the fact that I am not a formally taught economist carried more weight with many who were there at the ASPO conference. I taught myself informally everything I know about economics; it is a fascinating topic. My quest to understand how the world works means studying power relationships and hierarchies and you have to understand the role of money and thus credit to do that.

Loughrey: Many peak oil aware folks are preparing for hyper-inflation. What would a person expecting deflation do in preparation that might not occur to someone expecting inflation?

Foss: Hold cash and get out of debt. Those are the big two.  If you are expecting inflation, then you wouldn’t worry about debt. In the 1970’s it made sense to buy the biggest house you possibly could afford. You knew under that in a few years time it would be worth more and your debt would be a smaller proportion of the house value.  Similarly you didn’t hold cash when cash wouldn’t hold its value.

I would argue now that cash is what will hold its value while property and other assets will not.

I do have something in common with the inflationists. Both of us would agree that significant economic upheaval is coming. Whether you expect inflation or deflation, it is wise to have supplies stored: things to eat, to use as spare parts, or to trade for things you will need. But in purely financial terms, the deflationary preparation would be the opposite.

Loughrey: What’s your response to the economists’ prescriptions for the United States? You’ve got the Keynesians on one side saying “let’s spend our way out of our troubles” and you’ve got the more austere Chicago boy economics on the other side saying “lets’ drown the baby in the bathwater.”

Foss: And I think a plague on both their houses.

Fridmanites, or the Chicago school, have two big problems. First they do not understand the role of credit in the money supply. They define money too narrowly so they don’t understand why deflation is coming. Secondly they assume away the people. To them, economics is a machine explained by physics without having to understand people. Their economics model cannot describe the real world ever because economies are based in collective human behavior.  In a way it is far more important to study human psychology to be able to explain the how the economy works.

To Keinesians I would say when you are in a hole, stop digging.  When you are already drowning in debt, why on earth would you decide that more debt is the only thing that you can do to get out of your situation? It isn’t going to work. Keynesianism debt spending is just throwing more money down a giant black whole of credit destruction. Furthermore, it is putting additional excess claims to underlying real wealth in the hands of the very people who are best positioned to know that you’d have to cash those out at the beginning if you are going to get anything for them. So it is tilting the deck in favor of the big boys yet again.

I am in favor of tilting the deck in the other direction, toward the average person. There is very little money coming out of the system, so there is nothing I can suggest to get more wealth out of the system. All I can try to do is to help direct what does come out of the system into the hands of ordinary people because they will do something useful with it for the sake of their friends, families and communities. Ordinary people will apply those resources to real world solutions that genuinely matter. To me that is the single most important thing that I can possibly do. It fits very well with the goals of the Transition movement.

Loughrey: How will the economic and peak oil crises play out for different economic classes?

Foss: Yes it will depend on how much money people have. They may bring in rationing programs but it could be delayed. During the period of deleveraging, there may not be any recognition that low prices are so unaffordable for people. You don’t get pressure for rationing right away. A price spike would be more likely to induce rationing programs later. The more money you have the more access you have to the important things. Many will have to do without.

When you are talking about falling out of a window, how much it hurts depends on what floor you fell out of. Some are only going to fall out of the ground floor window. If you are a small scale farmer with no debt and you didn’t get sucked into buying expensive equipment, you may not notice. Whereas upper middle clas,s who seem to be wealthy but are up to their eyeballs in debt as any subprime borrower, and they have no skills: to them it will feel like falling out of the 100th floor window. So it’s how much money they have going forward that will matter, not how much they’ve had in the past. We will see a big shakeup of who has what. The people who do well are not necessarily going to be the people who are wealthy now. Some of them are going to be so devastated, so incapable of living without pots of money that they may drink themselves to death, like people did in Russia. There’s a whole generation of middle-aged men who had the rug pulled out from under their feet. They were no longer useful and they couldn’t adapt. The women were a lot more flexible i.e. that was then this is now and they got on with it.

 

(mais…)

Read Full Post »

 

Read Full Post »

Read Full Post »

As you shall see, we must move from a capitalistic form of government, which requires endless resource depletion, to a democratic form, which does not.

As you shall see,we must move from a corporate form of government, which requires endless resource depletion, to a human form, which does not.

 

See aqui.

Read Full Post »

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Read Full Post »

Read Full Post »

(Alguns dos quais efectuados via terceiros, maioritariamente publicados no sítio arqueológico de esquerda fóssil que dá pelo nome de “Passa Palavra”, secção Ecologia, e aqui republicados com todo o carácter repetitivo que a sua condição dialógica tornou inevitável, já que não tenho tempo nem paciência para os reformular em conformidade com as regras da elegância formal.)

A ideologia do progresso tecno-científico e do crescimento económico infinito é uma ilusão com duzentos anos, fomentada por uma abundância de energia barata. Imaginar que é possível a expansão infinita num planeta finito é uma forma de cegueira e de wishful thinking que, infelizmente, parecem tão enraizadas à esquerda como à direita do espectro político. A mente humana está viciada no produtivismo, e toma como normais as condições dos últimos 200 anos, a saber: a disponibilidade de combustíveis fósseis e um ratio de energy return on investment que são, em termos históricos, absolutamente excepcionais.

O João Bernardo parece ter um défice gritante de conhecimentos científicos, sobretudo em áreas como a biofísica ou a biologia sistémica. Também nunca parece ter ouvido falar em ciência sistémica, nem saber muito sobre antropologia das sociedades complexas. As suas análises da realidade política e social parecem feitas através do binóculo economicista/sociologista, assente num tripé mecanicista, que talvez fizesse sentido no sec. XIX, mas que há muito deixou de ser fiável para ler a realidade. Se a esquerda ainda continua presa à ilusão infantil de que o crescimento económico infinito tem futuro, se a esquerda se alia ao capitalismo na fé em que a tecnologia vai resolver os problemas criados pela própria tecnologia, se a esquerda se esquece de incluir nas suas grelhas de análise dados tão determinantes como o sobrepovoamento, o pico petrolífero, as alterações climáticas, a erosão e salinização dos solos, a ruptura dos ciclos biológicos, a eutrofização, etc., se a esquerda prefere ignorar todos esses dados científicos e continuar a construir castelos teóricos assentes em visões do tempo de Marx e de Stuart Mill, a esquerda está simplesmente a condenar-se à irrelevância, e as suas análises têm a consistência de bolhinhas de sabão.

***

E esses “cientistas que ridicularizam o movimento ecologista” têm nome?  [Não tinham.] Se o João Bernardo tiver a amabilidade de me dar as referências bibliográficas, agradeço. [Não deu.] Espero é que sejam mais científicos do que o cómico e tecno-fetichista Bjorn Lomborg, que o João Bernardo tanto parece estimar. Porque não tenho tempo a perder com cartesianos que, mais interessados na conveniência do que na cientificidade dos seus modelos teóricos, não têm pejo em subtrair dos mesmos o empecilho dos factos. Se é para fantasias, penso que mais vale ligar a televisão. Obrigado.

***

Todo o argumentário deste texto cai pela base se atentarmos nas realidades biofísicas que o João Bernardo, estranhamente, parece ignorar. A agro-indústria, que assenta num uso intensivo de recursos minerais, combustíveis, água, terra, etc., foi um expediente de que a humanidade se serviu para lidar com o problema duma explosão demográfica que a precedeu (e que a chamada revolução verde ainda veio exponenciar), mas cujo ritmo de depredação que impõe aos recursos e aos ecossistemas é insustentável. Insustentável porquê? Porque, gostemos ou não, a natureza impõe-nos limites, já que o planeta Terra é um sistema fechado e existe uma coisinha muito chata chamada segunda lei da termodinâmica.
Se grande parte dos recursos de que a necessária agro-indústria exige não são renováveis (petróleo, fosfato, fósforo, etc.) e estão a dez ou vinte anos de alcançar o seu pico de extracção (quando não o atingiram já); se outros recursos, embora renováveis (água, terra arável, etc.) estão a ser exauridos a ritmos potencialmente disruptivos; se todo o mecanismo da agro-indústria implica concentração e centralização, com o consequente incremento de custos energéticos na distribuição; se a agro-indústria tem um efeito comprovadamente destrutivo nos ciclos biogeoquímicos, nos habitats, nas cadeias alimentares, etc., e essa destruição pode acarretar danos cuja rectificação, mesmo que possível, só poderia ser conseguida a custos astronómicos; se, numa palavra, a revolução verde só foi possível graças a um consumo intensivo de energia, e se esse consumo só foi possível graças à historicamente excepcional disponibilidade de combustíveis fósseis baratos (mas tendencialmente mais caros à medida que se tornam mais procurados e menos fáceis de extrair) isto significa que a agro-indústria é petróleo-dependente, e que só é sustentável a médio prazo se os tecnólogos descobrirem uma maneira de transformar água salgada em petróleo, ou areia em gás, o que não parece previsível.

Sobre estas questões, o João Bernardo não parece ter nada a dizer, talvez por estar convencido de que a ecologia é uma ideologia, em vez daquilo que ela de facto é: uma ciência. Ao contrário do que o JB sugere, é precisamente por se preocuparem com a demografia que alguns ecologistas estão alarmados. JB traz à colação, muito a despropósito, o Cambodja de Pol Pot; mas o que a história nos diz é que se continuarmos na ilusão antropocêntrica (e não mundocêntrica, como JB sugere) de que a nossa espécie tem um direito natural e exclusivo sobre o planeta, será a própria natureza a tornar-se no Pol Pot da espécie humana, porque qualquer sistema físico está sujeito ao colapso se as pressões sobre o mesmo se tornarem extremas e incomportáveis.

O JB está convencido de que a tecnologia virá miraculosamente resolver todos os problemas criados pela tecnologia; acredita que a Monsanto nos vai projectar para um paraíso tão harmonioso como o das brochuras dos Jeovás (ignorando os efeitos colaterais dos OGM, em termos ecológicos, económicos, sociais, etc.); acredita que o Reino da Abundância para 8 mil milhões de pessoas em 2030 é possível, porque a sua fé na tecnologia e no engenho humano não corre o risco de esbarrar em quaisquer limites físicos, já que ele decidiu que esses limites físicos não existiam, e daí que acredite que haverá tempo e energia abundantes para todo o tipo de experiências e inovações.

A isto, desculpe, eu só posso chamar viver no reino de fantasia dos economistas (que não sei se o JB é ou não); as suas elucubrações referem-se a um mundo que simplesmente NÃO EXISTE; são tão reais como o Criacionismo. Exibem uma variedade de fé muito mais perniciosa do que o eco-primitivo de alguns ambientalistas, essas cassandras. O que JB se recusa a aceitar, e eu compreendo, porque é doloroso, é que se desfaça o seu sonho (o nosso sonho) de crescimento económico infinito, de produtividade sempre crescente e da tecnologia-como-libertadora-do-mundo-da-necessidade. Lamento, JB, mas não são os ecologistas que são fascistas, é a própria natureza.

 

 

 

 

 

 

Não são os ecologistas, mas sim os fiéis do lucro, do consumismo e da tecnologia que se estão a confiar, sem o saberem, à “triagem da natureza”, precisamente por se recusarem a admitir que a ideologia do crescimento infinito num planeta finito é uma ilusão com consequências catastróficas. No seu tempo, Malthus não teve razão porque não adivinhou o uso intensivo de químicos e de combustíveis fósseis na agricultura. Mas a longo prazo, Malthus estava certo. Tradicionalmente, os seres humanos usavam mecanismos de controlo populacional como o infanticídio, o aborto, a abstenção sexual, a emigração ou, em casos extremos, a guerra. Só que nos últimos duzentos anos a magia tecnológica e os combustíveis fósseis baratos eliminaram na nossa espécie esses mecanismos de autocontrolo, ao fazerem-nos acreditar, estupidamente, que a cornucópia da abundância não tinha fundo. Hoje estamos, ao que tudo indica, num beco sem saída.

Para evitar o colapso futuro, teria sido necessário que a transição para uma economia menos dependente dos combustíveis fósseis se tivesse iniciado em força há vinte anos, quando se dispunha de meios de investimento gerados pelo chamado crescimento económico. Essa transição não se fez (porque os optimistas crónicos, à esquerda e à direita, acharam mais divertido uns, e mais lucrativo outros, enfiar a cabeça na areia), e aquilo que se podia ter feito duma forma suave terá de ser feito, mais tarde ou mais cedo, à bruta. E não é, repito, porque os ecologistas o desejem.

Desde o início da Revolução dos Combustíveis Fósseis, mais conhecida por Revolução Industrial, a população mundial aumentou OITO vezes (tendo mais do que duplicado nos últimos 50 anos), enquanto o consumo de energia aumentou SESSENTA vezes. Pensar que estes níveis de depredação de recursos e de consumos de energia são sustentáveis a médio prazo é uma insanidade.

***

Eu não proponho a substituição da agro-indústria pela agricultura biológica. Limito-me a expor as vulnerabilidades intrínsecas à agro-indústria e a sua insustentabilidade a médio prazo, fazendo notar o que muita gente insiste em não querer ver: que a maior produtividade da agro-indústria tem altos custos energéticos e ambientais, assim como de distribuição, que esses custos só podem ser sustentados numa economia de crescimento exponencial, mas que esse crescimento é impossível por razões que se prendem com a finitude do planeta e dos seus recursos (que JB comicamente nega, mas já lá vamos). Segundo David Pimentel, “se os fertilizantes de origem mineral, a irrigação (tornada possível em parte pela energia obtida do petróleo) e os pesticidas fossem retirados, as colheitas de milho, por exemplo, cairiam cerca de 75%.”. Ora, a respeito da insustentabilidade do consumo intensivo e crescente de água, terra arável, fósforo, fosfatos e combustíveis na agro-indústria já me referi no comentário acima, e não faltam estudos sobre a iminência de um “peak everything”.

Outro facto cujo conhecimento está ao alcance de quem estiver interessado na verdade e não em teorias fantasiosas, é que o desenvolvimento tecnológico dos últimos duzentos anos teve o efeito perverso de nos tornar dependentes tanto dos combustíveis fósseis baratos como da inovação tecnológica. Foi inevitável essa dependência? Sem dúvida. Foi positiva? Só o futuro o dirá. O desenvolvimento tecnológico constituiu uma resposta necessária que as sociedades humanas criaram para lidar com pressões demográficas. O problema é que hoje sabemos que não se pode dar por garantida a disponibilidade de energia barata em quantidade e qualidade suficiente para alimentar uma sociedade industrial com, futuramente, 8 mil milhões de hedonistas, tal como não se pode, por razões que se prendem com a situação crítica do capitalismo financeiro (cuja crise veio para ficar) dar por garantida a disponibilidade de capital para investir em tecnologias capazes de minorar os efeitos do seu desaparecimento.

Mais alguns dados científicos, para que não estejamos aqui a discutir com base em rumores e fantasias teóricas. “Nos últimos 400 anos foram extintas 83 mamíferos, 113 aves, 288 outros animais e 650 plantas. Mas quase todas essas extinções ocorreram nos últimos cem anos – das 21 espécies marinhas que se sabe terem desaparecido desde 1700, 16 delas desapareceram desde 1972” (Craig Dilworth). Pensar que o homo sapiens tem o direito a imperar no planeta, mesmo que para isso tenha de exterminar todas as outras espécies, é uma forma de totalitarismo especista cuja agressividade se virará fatalmente contra nós, e que desembocará mais tarde ou mais cedo numa luta de todos contra todos pela posse dos últimos recursos e no consequente genocídio. Porque, sim, a natureza é “fascista” (uso o termo em sentido metafórico, claro, o que João Bernardo finge não ter compreendido), na medida em que impõe limites ao expansionismo de qualquer espécie, não abrindo excepções sequer para os auto-proclamados “filhos de Deus”. Não são os ecologistas quem o diz, é a biologia e a história das civilizações.

Quanto às soluções propostas pelo tecnófilos, pelos promotores do crescimento infinito e outros idealistas, estou convencido de que essas soluções assentam sobretudo numa grande dose de ignorância científica e de wishful thinking. A energia nuclear, que o comentador anónimo refere, é simplesmente uma piada de mau gosto: mesmo retirando da equação os detritos que produz (e que continuamos a armazenar, passando o problema às gerações futuras, confiados numa miraculosa solução que há-de chegar), se somarmos os custos de construção e de operação duma central nuclear com os do seu desmantelamento, ver-se-á que a sua rendibilidade em termos energéticos (EROI) é extremamente baixa. Cálculos identicamente desfavoráveis, em termos de eficiência energética, têm sido efectuados para fontes de energia tão “miraculosas” como o óleo de xisto, o biodiesel, a energia solar ou o gás natural.

 

 

 

 

 

 

Relativamente à panaceia dos transgénicos, mesmo sem trazer à colação as implicações biológicas, económicas e sociais da introdução massiva dos mesmos na agricultura, admira-me que se possa considerar de esquerda quem pensa que a solução para as crises alimentares do futuro passa por trocar subitamente o património de sementes seleccionadas e adaptadas pela humanidade ao longo de milénios pelos produtos patenteados duma multinacional como a Monsanto, cujo desígnio é, obviamente, pôr na sua dependência todos os agricultores do mundo e facturar em conformidade. Quem acredita que mega-corporações como a Monsanto estão preocupadas com outra coisa que não os seus lucros está, no fundo, a dar razão aos neo-liberais quando estes afirmam que “greed works”. O que não deixa de ser cómico numa pessoa de esquerda. Tamanha incoerência e candura deixa-me sinceramente preocupado com o nível a que tem descido a racionalidade entre os chamados intelectuais, sejam de esquerda ou de direita.

Uma palavra ainda a respeito de Serge Latouche. Não é um autor que eu conheça especialmente bem, nem é a partir dos seus pressupostos que a minha argumentação, fundamentalmente, parte. Pelo pouco que li dele, pareceu-me ser um anti-globalista, um anti-imperialista e um melhorista, ou seja, defensor dum “capitalismo de rosto humano”. Por motivos que já sugeri, e que poderia explanar longamente, se tivesse tempo e paciência para tal, eu não penso que o capitalismo possa ser “melhorado”, porque não acredito que um sistema movido pela busca do lucro possa travar voluntariamente os seus impulsos, principalmente num tempo em que esses lucros se esfumam cada vez mais depressa; tal como não acredito, porque tenho algumas noções de biologia evolutiva, que a nossa espécie trave a tempo o seu impulso natural para o consumo desenfreado, a acumulação de riqueza e a procriação.

Mas, independentemente de eu concordar ou não com tudo o que S. Latouche afirma, pretender diminuir as suas posições com o “argumento” de que deu uma entrevista a uma publicação de extrema-direita é algo sem pés nem cabeça. Acredite ou não, eu já tenho lido textos e entrevistas de Anselm Jappe em jornais portugueses de direita (nem há outros, de resto). Devo concluir que Anselm Jappe é um neoliberal encapotado? Ou que os oligopólios da comunicação social viraram secretamente de esquerda?

***
Seria desejável ultrapassar o capitalismo? Na minha opinião, é não só desejável como inevitável. Mas para o ultrapassar de forma não-catastrófica, a condição mínima é que compreendamos  em toda a sua dimensão a mecânica e os efeitos do capitalismo, assim como o bem sem saída aonde nos trouxe.

Infelizmente, o que eu vejo é uma esquerda que prefere lutar com fantasmas familiares a enfrentar os verdadeiros inimigos e os verdadeiros problemas; uma esquerda mais empenhada (como de resto já é tradição) em caluniar os seus críticos, servindo-se de rótulos como “fascista”, “revisionista” e outras bombardas ideológicas dos séculos XIX-XX (como se estivéssemos ainda em 1936!), do que interessada em argumentar a partir de factos; uma esquerda, enfim, que prefere argumentar a partir da “ciência” económica do que dos dados fornecidos pela ecologia (que, repito, não é uma ideologia nem uma religião, mas uma ciência).

Respondendo agora mais concretamente ao comentário de João Bernardo. Não é verdade que “todas as previsões catastróficas feitas pelos ecológicos, nomeadamente as respeitantes ao esgotamento de recursos naturais, se revelaram empiricamente falsas.” Quem vive num mundo governado pelas leis da física sabe que não é possível consumir recursos não renováveis, como o petróleo ou o gás natural, sem que as suas reservas diminuam e sem que a sua extracção se torne cada vez mais dispendiosa. Nos EUA, que não é propriamente um país pequeno nem pobre em recursos, dados do US Geological Survey (essa organização eco-fascista, dirá talvez o JB), indicam que os seguintes metais e minerais atingiram o seu pico de extracção nas seguintes datas: cobre (1998), minério de ferro (1951), magnésio (1966), fosfato (1980), titânio (1964), zinco (1969). Quanto ao pico petrolífero nos EUA, ocorreu em 1971. Ora, o que é válido para um dado país, deve ser válido para o globo em geral. Mais dados científicos que contrariam a suposta inesgotabilidade dos recursos: as capturas de pesca alcançaram o seu pico há dezoito anos, em 1994. O pico mundial da produção de cereais per capita deu-se em 1984, e os stocks dos mesmos tiveram o seu ponto mais alto em 1986. As descobertas mundiais de campos petrolíferos tiveram o seu pico na década de 1950.

A respeito da “literatura científica anti-ecológica”, já lhe pedi que por caridade me fornecesse a bibliografia, para eu poder avaliar do seu grau de cientificidade, mas o JB prefere pouco interessado em revelar as suas fontes, e a única que eu me lembro de ele ter fornecido (mas posso estar enganado) é a dum apologista do free-market chamado Bjorn Lomborg, que não é cientista de nada a não ser da pseudo-ciência que dá pelo nome de estatística, e cujo famoso The Sceptical Environmentalist, tão encarecido pelos businessman globais, foi demolido peça peça a por verdadeiros cientistas. Ver aqui:
http://stephenschneider.stanford.edu/Publications/PDF_Papers/PimmHarvey2001.pdf
Ou aqui:

http://www.lomborg-errors.dk/

A respeito da afirmação de que os “ecológicos sentiram necessidade de formar dentro das universidades departamentos etc. onde se sentiam protegidos das críticas”, não passa duma insinuação gratuita e tão pertinente como a afirmação de que os arqueólogos, os paleontologistas, etc. sentiram necessidade de etc. dentro das universidades para se protegerem das críticas. O mesmo se pode dizer da comparação que JB estabelece entre a ecologia e pseudo-ciências cujos teorias ou objectos de estudo nunca foram reconhecidos pela comunidade científica fora dos meios ideológicos onde se desenvolveram. Abro aqui um parêntesis para fazer notar a incoerência de JB quando recorda, e muito bem, que “era corrente no terceiro Reich a definição de que o nacional-socialismo não é mais do que biologia aplicada”, sem se dar conta, aparentemente, de que essa posição da “ciência” nazi decorre duma exacerbação darwinista que se aplica igualmente bem à filosofia concorrencial e produtivista do liberalismo, expressa em certas correntes do chamado darwinismo social. Se as antinomias do capitalismo forem deixados ao seu livre curso, como tudo indica e Lomborg aplaude, daqui a vinte ou trinta anos poderá ganhar força entre as elites políticas e económicas a convicção cínica de que “a natureza tem de seguir o seu curso”. Aliás, certos indícios, para os quais eu ando atento, parecem demonstrar que essa é já hoje a convicção secreta dessas mesmas elites. A esquerda tradicional, admiravelmente representada pelo João Bernardo, continua mais interessada em fomentar ilusões, combater fantasmas, mimetizar a respeitabilidade burguesa e adular os impulsos do eleitorado perdido. Daí que lhe seja totalmente impossível o radicalismo de que se pretende herdeira. Mas isto é outra história, que nos levaria demasiado longe.

Voltemos ao assunto. Ao contrário do que o JB supõe, a ecologia não é de esquerda nem de direita, porque esses rótulos políticos não se aplicam a nenhuma verdadeira ciência. Formado no mundo das chamadas “ciências” sociais, JB parece esquecer-se de que não existe uma biologia, uma física ou uma matemática de esquerda ou de direita. Outra coisa de que se parece esquecer, muito convenientemente, é que nem toda gente que fala ou julga falar em nome da ecologia tem credibilidade para o fazer. Ao JB, na sua guerra pessoal contra a ecologia, parece dar muito jeito confundir o “ecologismo” de Al Gore ou de B. Bardot com o trabalho de biólogos, paleo-ecologistas, geólogos, antropólogos, etc.
Como já disse acima, o decrescimento económico, gostemos ou não, é uma necessidade. A verdadeira questão, pelo menos no mundo real em que eu me movo, é como gerir esse decrescimento: se de forma racional, com uma redistribuição igualitária dos recursos disponíveis, com os países ricos a abrirem mão daquilo que monopolizaram nos últimos 200 anos, ou à maneira tradicional, através da guerra, da chacina, do colapso económico e demográfico.

Ninguém defende, eu pelo menos não defendo (embora convenha ao JB fingir desonestamente que sim) que a alternativa ao crescimento é a miséria, tal como ninguém defende que renunciemos à tecnologia para viver em cavernas. O que eu defendo, e nisso dou inteira razão a Latouche, é que não temos outra saída senão a frugalidade. O que eu digo, baseado em dados científicos, é que a possibilidade de estender ao 7-8 mil milhões de seres humanos o materialista idiota promovido pela sociedade do espectáculo e o desperdício de recursos verificado nas democracias de consumo, é uma miragem. A não ser que os nossos adorados tecnólogos arranjem maneira de inflar o planeta Terra.

Portanto, não “chegámos onde [o João Bernardo] queria”, porque os seus insultos são tão gratuitos e disparatados que me passam completamente ao lado. Confesso até que achei muita graça ao “eco-fascista”. Já me chamaram muita coisa, mas “fascista” ou “nazi” é a primeira vez. Se o JB fizesse um esforço para inferir as coordenadas ideológicas de onde eu venho, se não julgasse ter determinado duma vez por todas o que é a esquerda e quais são as maneiras “legítimas” de se ser de esquerda, perceberia que as suas flechadas de rótulos falham clamorosamente o alvo.

“Chegámos”, enfim, aonde o JB já se encontrava, entrincheirado numa indiferença de “cientista” social pelos contributos das ciências da terra.

Exemplo do pensamento materialista-dialéctico em acção

 

 

 

 

 

 

Taiguara,

A natureza não utiliza nada, a natureza não tem vontade nem intenções. Simplesmente, há dinâmicas de acção-reacção verificáveis em todos os nichos ecológicos. Já ouviu falar na ilha da Páscoa? Pois olhe, lá a “natureza” tratou de ensinar aos homens que quando se se leva a depredação dos recursos ao limite, o resultado é uma diminuição catastrófica da população. Investigue as razões do colapso do império maia, ou do império romano. Ao contrário dos ecologistas lamechas e dos esquerdistas ignorantes, eu não antropomorfizo a natureza, atribuindo-lhe sentimentos morais. O que eu afirmo, e só não é evidente para quem não quer ver, é que o homem tem o poder de influenciar em seu favor ou em seu desfavor o meio ambiente. E que as coisas não são tão róseas como as pinta o capitalista Lomborg. E que ignorar os dados científicos é não só estúpido como criminoso.

***

João Bernardo, você continua sem mostrar as fontes científicas das suas elucubrações. Eu apresentei-lhe dados que visam refutar algumas das suas afirmações. Você, pelo contrário, limita-se a reiterar o que já tinha dito: que se acha cheio de razão. Ora, essa reiteração é filosófica e cientificamente nula. O que você acha ou não é-me completamente indiferente enquanto não refutar os dados (sobre o esgotamento de recursos, por exemplo) que eu lhe adiantei. Começo a achar que o seu forte não são as ciências, nem sequer a filosofia política, mas uma doxa baseada em preconceitos cristalizados. Confesso que você me desilude mais do que eu achava possível. Mas admito que isso lhe seja tão indiferente como a mim as suas risíveis deduções sobre o que eu digo. Se não pretende argumentar com dados científicos, é evidente que estou aqui a perder o meu tempo. Adeus.

***

Fagner Enrique,

Acho muito significativa a sua frase a respeito de autores “que teorizam lindamente sobre a ecologia”, porque ela revela precisamente o erro básico dos esquerdistas bloqueados no universo de fantasia das “ciências” sociais: pensarem que a ecologia é uma ideologia, uma matéria de “opinião”, e portanto tão aberta a “teorizações” como a economia ou o direito. O que eu recomendo é que vão ler os cientistas, e não os “teóricos”. Lomborg não é um cientista, é apenas um ideólogo cujas teorias chocam de frente com a realidade dos factos. Mas para as mentes formatadas na sociologia ou na economia neo-clássica, a realidade biofísica é invisível, e a finitude dos recursos é apenas uma “teoria”. Daí que se ponham a especular comicamente sobre crescimento económico, sobre agro-indústria ou sobre o sexo da classe revolucionária, sem fazerem a mínima ideia daquilo que estão a dizer. Mas os teóricos e os ideólogos não costumam gostar de nada que lhes possa atrapalhar as cavalgadas especulativas, a começar pelos factos. Preferem prescindir da realidade e entreterem-se com a construção de bonitos castelos teóricos, à la Hegel. Pessoalmente, acho esses exercícios tão fúteis como a tentativa de conceber pentes para um planeta de carecas. Se O JB tivesse alguma curiosidade científica, corria o risco de acabar surpreendido com a sua própria ignorância, e isso seria demasiado desconfortável para alguém que, aparentemente, está apenas interessado em perorar de cátedra, procurar “confirmação” para as teorias em que decidiu acreditar, e poder continuar a sentir-se uma pessoa influente.

Está a sugerir que para criticar o J. Bernardo é preciso ter lido primeiro as suas obras completas? Parece-me isso um completo absurdo.

***

O João Bernardo parece confundir ecologia (uma ciência que descreve a realidade biofísica) com ambientalismo (uma ideologia). Eu diria que atacar a ecologia é tão disparatado como atacar a física ou a matemática. Mas o J. Bernardo parece ter decidido que o ecossistema é irrelevante para a preservação da vida humana na Terra, já que, como ele diz, o homem tem o poder de “ampliar a natureza” (em laboratório, como a benemérita Monsanto?). Enfim, J. Bernardo parece acreditar no milagre da multiplicação dos pães via engenho humano. Está-se a esquecer, porém, de um pormenor, que tem igualmente escapado às cheerleaders da economia, tanto à esquerda como à direita: que A TECNOLOGIA NÃO É UMA FONTE DE ENERGIA, que sem electricidade os secadores de cabelo mais sofisticados do mundo tornam-se menos eficazes do que pôr a cabeça ao sol, e que sem energia barata não há crescimento económico possível, e que a energia barata está em vias de acabar, e que a única maneira de baixar o custo da energia e a pressão sobre os recursos naturais seria eliminar metade da população mundial ou reduzir 80% dela a uma pobreza pré-industrial.

A sua visão do homem como criatura alienada do ecossistema que a suporta é um puro delírio de urbanita, que só pode germinar na cabeça de um mecanicista-histórico que toma o crescimento exponencial dos últimos 200 anos como uma regra e não a excepção que de facto é nos 50 000 anos de aventura humana sobre a terra. E com toda a sua aparente indiferença pelos dos dados biofísicos, não admira que João Bernardo chegue a dar a ideia de que confunde natureza com paisagem…

 

 

 

 

 

 

 

Do capitalismo só se sai de duas maneiras, pelo abandono do consumismo em favor da frugalidade e da suficiência, ou pelo colapso. Adjectivar como “miséria” o necessário (e revolucionário) modo de produção que reconheça a finitude do planeta e dos seus recursos, é uma ideia que só pode sair da cabeça dum lunático como o João Bernardo, que decidiu simplesmente ignorar, à velha maneira dos economistas liberais, a base biofísica do milagroso crescimento económico dos últimos 150 anos, sem o qual não haveria sociedade urbana e industrial.

Imaginar que é possível salvar a sociedade industrial sem energia fóssil abundante e barata, num planeta com 2 mil milhões de hedonistas e mais 5 mil milhões com desejos de o serem, é completamente ridículo.

Enquanto a esquerda não descer do mundo das ideias (hegelianas, no caso de JB) para o da realidade biofísica, aquilo que ela tem a dizer sobre o presente e o futuro será totalmente irrelevante, porque pretender analisar a realidade económica sem contar com as limitações biofísicas do planeta é o mesmo que pesar comparativamente uma girafa e um pinheiro numa balança de cozinha: um fútil exercício de lunáticos.

A esquerda representada pelo João Bernardo pensa que o inimigo ainda é o capitalismo porque é isso que diz a teoria marxiana. Se levantasse a cabeça, veria que o seu querido inimigo se encontra já na condição de pré-cadáver (como de resto foi previsto há décadas por gente simplesmente sensata como E. F. Schumacher), e que se chegou a pré-cadáver foi simplesmente porque lhe aconteceu o que fatalmente acontece a todos os sistemas e organismos vivos: ficarem sem energia. Tentar deitar fora a água suja do capitalismo para conservar o bebé da sociedade industrial não é ser revolucionário, é ser idiota. Os únicos revolucionários, hoje, são a pessoas que vivem e defendem a transição para a sustentabilidade. Tudo o resto é mera conversa para entreter ilusões apodrecidas.

***

MSP,

Uma das afirmações mais absurdas do texto de J. Bernardo é precisamente a que V. cita, sobre a satisfação com que o patronato verá a esquerda ecologista defender a frugalidade. Se ele tivesse falado na elite financeira, que nada produz nem dá emprego a ninguém porque percebeu que é no casino da Bolsa que se ganha dinheiro, eu até poderia dar-lhe razão. Mas ele fala em patrões. Ora, que eu saiba, um patrão é alguém que vive da exploração do trabalho alheio e do investimento das respectivas mais-valias, logo, é alguém a quem o que menos interessa é que as pessoas se retirem do ciclo alienante da produção e do consumo. Ou será que o consumo já deixou de ser, como gostam de afirmar os economistas liberais, a “alavanca do crescimento”?  Portanto, a afirmação de JB é completamente disparatada.

Em todo o caso, o que os patrões pensam ou deixam de pensar não faz subir o petróleo nos poços nem baixar os custos da sua extracção, não faz subir o nível da água nos aquíferos, nem aumenta a produtividade agrícola, que muitos ecologistas consideram ter alcançado um máximo inultrapassável.

Não vejo em que é que o meu comentário pode dar razão às críticas de J. Bernardo. A perspectiva de Castoriadis parece-me muito mais lúcida do que o tecno-fetichismo de J. Bernardo, e em nada contradiz o que eu digo. A gestão do necessário decrescimento pode e deve ser feita democraticamente. Claro que há o risco de essa gestão vir a ser feita totalitariamente, imposta de cima para baixo por elites corruptas e apostadas em fazer retroceder a relação de forças dentro do sistema produtivo para os tempos do ancién regime.

Mas, por muito que isso pese ao JB (que vive num mundo de ficção assombrado por fantasmas “eco-fascistas”), não é isso que eu defendo, nem é isso que defende a ecologia social. Mas é isso que acontecerá, provavelmente, se a esquerda insistir em pelejar com inimigos-fantasma, se a esquerda continuar a pensar que o grande objectivo é tomar os comandos do trem-bala capitalista na sua pretensa viagem para o Eldorado do consumismo para todos (mas cujos carris terminam num despenhadeiro); se a esquerda, enfim, continuar a fingir que vivemos ainda em 1930, ou em 1950, e que é fisicamente possível um mundo com 7 mil milhões de automóveis e de IPods.

Eu compreendo: a mensagem não é popular, e a esquerda partidocrata receia, com razão, que um eleitorado estupidificado por ilusões consumistas lhe fuja ainda mais depressa perante o anúncio de que o único programa realista, humanista e revolucionário passa pela gestão equitativa (e democrática, obviamente!) dos recursos que restam. Isso implicaria necessariamente que o mundo ocidental deixasse de se poder atulhar com gadgets fabricados por escravos asiáticos. Porque o povinho ocidental está viciado em gadgets, certo? Tal como os partidos políticos estão viciados em votos.

Mas de um pretenso analista económico como J.B, que ainda por cima não é líder de partido nenhum, o mínimo que se esperaria era que não embarcasse em ilusórias promessas de crescimento exponencial num mundo finito, como se vivêssemos ainda no tempo em que bastava espetar uma picareta no solo para extrair petróleo, no tempo em que éramos apenas 2 ou 4 mil milhões a pesar sobre a Terra, no tempo em que ainda havia lucros fabulosos a fazer na exploração da mão-de-obra. O que JB não percebe, estranhamente, é que para os capitalistas, neste momento, os seres humanos já nem como mão-de-obra barata têm serventia, e que o que eles gostariam é que metade da humanidade desaparecesse subitamente, para que se aliviasse a pressão sobre os recursos e a produção pudesse retomar a mágica do crescimento, sem o qual não existem lucros possíveis.

***

O excerto de Castoriadis parece-me bastante lúcido e apenas vem dar-me razão. A ecologia social, que eu saiba, não defende o apagamento das clivagens políticas; pelo contrário, o que defende é a sua exacerbação radical. JB vive encerrado numa teoria materialista-dialéctica de “sujeitos históricos”, para a qual tudo o que conta são as relações de produção e a propriedade dos seus meios. O que eu digo é que essas teorias perderam actualidade, porque o mundo que elas analisavam tinha subjacente uma realidade biofísica que não era (não é) menos real pelo facto de o profeta Marx não a ter reconhecido. O sujeito histórico, no mundo real, limitado pela finitude dos recursos e pelas diversas crises (ambientais, financeiras, energéticas) que impendem sobre nós, não pode ser menor do que a humanidade inteira, e quem persiste em situar na fábrica (esse fóssil da economia industrial!) o lugar por excelência da praxis revolucionária, quem julga que o sujeito revolucionário continua a ser o proletário, ou o estudante, ou o eleitor, ou o vendedor de castanhas, vive simplesmente num mundo de fantasia. No mundo real em que eu vivo, cada vez se torna mais evidente que a guerra de classes do século XXI se travará entre os  oligarcas rentistas (coadjuvados pela sua rede de apparatchiks políticos e de relações públicas) e o resto da humanidade.  Não sei em que terreno será travada essa luta, mas nas fábricas ou nos escritórios não será de certeza.

Quanto à moral cívica, só se pode fundar na noção de que a húbris predatória da economia capitalista é não só imoral como insustentável a médio prazo, e que novas relações de produção (preferencialmente, longe do salariato) terão forçosamente de orientar o nosso futuro, se é que queremos ter um futuro.

***

MSP,

Ninguém nega a historicidade da natureza, a sua transformação pelo homem ao longo dos último 20 000 ou 30 000 anos. Mas não é isso que está em questão. JB parece confundir ecologia com paisagismo. O que para mim é incompreensível. Que o homem sempre transformou a natureza de acordo com as suas necessidades é um facto; mas há uma diferença entre converter um prado numa exploração agrícola auto-sustentável, ou transformar uma floresta numa savana ou num deserto.
A questão de fundo, porém, não é a conservação da paisagem ou a sua intocabilidade, mas a incompatibilidade entre o crescimento exponencial e a finitude dos recursos naturais, ou da energia, se quisermos, que alimenta essa expansão.

Se Castoriadis afirmou que a “destruição da Terra [não] poderá continuar por mais um século ao ritmo actual” e que essa “destruição seria ainda mais acelerada se os países pobres se industrializassem”, devia ter sido coerente e defender o decrescimento nos países desenvolvidos, porque mesmo uma steady state economy já representa uma fasquia demasiado alta em países como os EUA ou a Alemanha, pois não permite que o desenvolvimento dos países do 3º mundo se dê sem pôr em sério risco o futuro da vida humana na terra.

***

MSP,

Confesso que as implicações político-filosóficas do ecologismo me passam bastante ao lado, porque não me parecem especialmente pertinentes. Eu não conheço a obra de JB, com a excepção de alguns textos esparsos, mas pelo que li dele, parece-me que a sua estratégia argumentativa passa pela velha fraude de imputar aos seus adversários (no caso, os ambientalistas) noções que, no seu extremismo, não são representativas da maioria dos mesmos. Haverá algum ambientalista que tenha proposto a natureza como “fonte de direito”? É possível que sim, porque neste mundo não faltam excêntricos filosóficos. Mas a única coisa que os ecologistas defendem, parece-me, é que encarar a natureza como um simples objecto, como um simples palco para a acção humana e como uma fonte de recursos inesgotável, como temos feito com particular violência nos últimos 150 anos e JB defende que se continue a fazer, é simplesmente estúpido e suicidário.

***

MSP,

JB vê a natureza como um animal de circo, que pode ser domado a chicote pelos filhos do deus Tecno. Mas de facto talvez não fosse pior vê-la como um animal de pastoreio, do qual cuidamos para obter benefícios. Quanto a esse cuidado, não precisa de ser gerido por cientistas, até porque estes já demonstraram que só sabem resolver problemas criando novos problemas. Para gerir eficazmente e de forma sustentável a nossa relação com o sistema natural de que dependemos não é preciso ser sábio nem filósofo, basta um módico de sensatez.

Não percebo o que é que noção da nossa imbricação no ecossistema terrestre e da nossa dependência do mesmo tem que ver com a ordem ou desordem política. O ecologismo pretende apenas assegurar que o chão sobre o qual construímos os nossos sistemas políticos não desapareça a médio prazo.
Antes de decidirmos como distribuir a terra, os recursos e organizar a produção, convém que haja terra e recursos que sustentem essa produção. Noutros momentos da história esse problema não existia, porque havia muitos mamutes para caçar, muitas américas para conquistar, muito carvão, ferro, cobre, fosfato, petróleo, etc. para extrair. Mas as condições mudaram com a sobre-exploração dos últimos 150 anos. E é isso que JB prefere não ver, a fim de poder continuar a acreditar na solidez do seu castelinho teórico. Eu já recomendei a JB que tentasse refrescar o seu materialismo histórico-dialéctico com um pouco de ciência, de antropologia, de economia biofísica e de teoria sistémica, recomendando-lhe a leitura de Joseph Tainter, Craig Dilworth, Thomas Homer-Dixon, Chris Martenson e, a um nível de divulgação mais popular, Richard Heinberg ou Guy McPherson. Mas o JB está menos interessado em factos do que na preservação da sua “bella figura” de guru da esquerda, e quando assim é, não há nada a fazer.

Com a expressão “radicalismo anti-democrático e místico da ecologia profunda”, suponho que esteja a referir-se a correntes mais ou menos esotéricas, como aquela espécie de naturismo antroposófico do princípio do sec. XIX, que tanto influenciou o nazismo. Mas o que eu pergunto é: o que é que essas correntes místicas têm que ver com os problemas que nós, cem anos depois, temos pela frente? As referências de JB a essas curiosidades históricas só servem para uma coisa: confundir os argumentos e “reforçar” as suas pretensas apreensões sobre o carácter fascista, ou o que quer ele lhe chame, do ecologismo.

Sim, tudo são técnicas, mas isso não significa que todas as técnicas se equivalham, que construir uma plataforma petrolífera no Alasca seja exactamente o mesmo que construir um parque solar no Arizona.

****
Parece-me que o MSP está, tal como o J Bernardo, mais interessado em considerar as implicações filosóficas duma CERTA IDEIA de ecologismo do que em confrontar-se com os dados factuais duma ciência chamada Ecologia. A mim, essas especulações não me interessam para nada neste momento, e portanto é evidente que este diálogo já deu tudo o que tinha para dar. Mas agradeço-lhe a atenção dispensada.
Cumprimentos

***

MSP,

Sobre a “hipótese Gaia” não me pronuncio porque não li o livro e só a “conheço” de uma ou outra referência ocasional. Terei de me informar.

Eu sei que a maioria do seres humanos vive aquém das suas possibilidades, e também sei porquê. Se há ecologistas que “mascaram” o facto, não são da minha família política, e portanto ignoro-os. Mas a desigualdade no acesso aos recursos naturais não torna menos real a sua finitude e a sua actual sobre-exploração. Que essa desigualdade deve ser combatida por todos os meios, suponho que estaremos de acordo; mas também há-de concordar que, para ser real e frutuoso, esse combate tem de ter como ponto de partida uma noção o mais exacta possível dos dados científicos. E o que os dados científicos nos gritam ao ouvido é: explosão demográfica, mega-cidades totalmente insalubres, sobre-exploração dos recursos, desperdício, poluição, desertificação, acidificação dos oceanos, etc. A solução para todos estes dilemas terá de ser política? Claro que sim. Mas uma política não informada pelos factos passa a ser parte do porblema e não da solução, como se diz em americano. Por outras palavras. concordo que “a política tem a prioridade”. Mas não me esqueço que a política é limitada pela natureza (e suas leis implacáveis), que a política não pode tudo, e que os erros políticos (que nascem, frequentemente, de juízos equivocados) podem ter consequências catastróficas. Aconteceu no passado, muitas vezes, e acontecerá num futuro relativamente próximo, pelo caminho que isto leva.

Read Full Post »


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Como adenda, e só para que não se pense que a literatura desapareceu inteiramente da minha dieta de bibliófago:

Dick Davies, Belonging

Denis Johnson, Nobody Move

Penelope Fitzgerald, The Gate of Angels

Penelope Fitzgerald, Offshore

Jeanette Winterson, Passion

Jeanette Winterson, Stone Gods

Deborah Eisenberg, The Collected Stories

Jane Austen, Pride and Prejudice

Thomas Bernhard, El Frio

Jorge Roque, Canção da Vida

Read Full Post »

(Sublinhei algumas passagens mais importantes, mas atenção que é pra ler tudo! Encontrado aqui.)

Chris Martenson: Welcome to another ChrisMartenson.com podcast. I am, of course, your host, Chris Martenson, and today we have the distinct pleasure of talking with Nate Hagens, a well-known authority on global resource depletion. Until recently, he was lead editor of The Oil Drum, one of the most popular and still highly respected websites for the analysis and discussion and global energy supplies, and the future implications of the energy decline that we are facing. Nate’s presentations address the opportunities and constraints that we face in the transition away from fossil fuels. He’s appeared on PBS, BBC, and NPR, and lectured around the world. He holds a Master’s Degree in Finance from the University of Chicago and recently completed his PhD in Natural Resources at the University of Vermont. Previously, he was President of Sanctuary Asset Management and a Vice-President at the investment firm Solomon Brothers and Lehman Brothers. I happen to know Nate from our connections through the Association for the Study of Peak Oil and Gas, or ASPO, where we’ve both been featured presenters and active participants. So, Nate, welcome, and glad you could be with us today.

Nate Hagens: Thanks, Chris, glad to be here.

Chris Martenson: You know, I want to start with a little bit about Peak Oil, the idea that someday there’s going to be incrementally less oil flowing from the ground to use as we wish. In your estimation and experience, where are we in the Peak Oil story?

Nate Hagens: Well, there are a lot of details that people will argue about. The bottom line is that we’ve reached a level where supply cannot continue to keep up with demand increase. We’ve been on a plateau for five or six years now, where oil supply has become inelastic: more demand, higher prices will not bring out more supply. And there are interesting sub-stories to that. For example, the EIA and the IEA, the data that they report show that we just recently hit an all-time high in oil production. If you include tar sand, biofuels, natural gas, plant liquids, etc., we’re around 88 million barrels a day. But if you look at some other data sources, like the JODI, the Joint Oil Database Initiative, that is a compilation of national governments reporting their own oil production, there’s about a three to four million dollar difference in total production. So we don’t really know the source of EIA and IEA. We assume it’s IHS CERA data, but there’s a big gap there. And if you look at the JODI data, we’ve still peaked in 2006 and have not regained that peak. Now if you’re just talking oil, both data sources agree that 2006 is still the peak of global oil production.

Chris Martenson: Is that where you are? So in your estimation, conventional oil has peaked? I think that’s in the rearview mirror, but you’re now going out and saying all liquids that we would call oil; forget about the funny stuff out there, the ethanol and whatnot, but in terms of stuff that comes out of the ground we would call oil, we’ve peaked?

Nate Hagens: Well, I’ve stopped paying attention to that, Chris, because I don’t think it really matters. I think Peak Oil is a constraint going forward, but it’s not the real driver on the energy side. It’s that our marginal cost keeps going up for liquid fuels, which are basically the hemoglobin of global trade and global commerce, so that’s relevant. But whether we have another million, or two million, or two million less, isn’t the real story. We’re not going to be able to meaningfully grow something that the entire world depends on, and so I think all this bickering about which month or which year is the highest is missing the point. And then I’m sure, we’ll probably touch on it later, the greater threat right now is not Peak Oil, but Peak Debt or Peak Credit, and that’s the much more clear and present danger. But you mentioned ethanol, and there was a stat that came up today, I just wanted to point it out. As of now, corn for food is the number two use of corn in this country. We now use more corn to create ethanol than we do for food. And we produce about a million barrels of ethanol a year. Each of those barrels, of course, has, because of the BTU content, a lot less energy than a barrel of oil, around 70%. So we’re using half of our corn supply to produce one million barrels of ethanol, when we use nineteen million barrels a day of oil. So it’s kind of a conversion of corn, water, soil, natural gas, and coal into liquid fuels in order to become less dependent. But it’s only a drop in the bucket relative to our total consumption.

Chris Martenson: Right. So here we have this magic substance, it’s the hemoglobin of global trade, as you said, meaning it’s the carrier that’s providing the oxygen, as it were, to have the global economy function. We will get to that Peak Debt connection in just a second. But this is a really important point to me, the idea that what we need is more oil or liquid fuels if we want to broaden it on a daily, yearly, monthly, whatever basis we want, than we did last year, day, month or whatever, because we want our economy to keep growing, and that’s what we understand and know and love. In your estimation, though, we are now facing physical constraints that are going to prevent us from growing the supply of oil at the higher level. And on a more granular level, you used marginal cost of production, but that itself might be a proxy for increasing energy costs to go out and get energy. However we look at it, money [is] a great proxy for energy, so let’s use that. Energy’s going to become more expensive going forward and there’s going to be slightly less of it. Those are two pieces of the story, in your mind, from now stretching into the future.

Nate Hagens: Yeah, that’s right. And, you know, the main reason that’s a problem is because our entire system is based on the incorrect assumption that energy, which underpins every single physical service transaction we have in this economy, is substitutable. You can substitute capital or labor for it. And in reality, that’s not true. If you don’t have energy, you don’t have an economic transaction.

So if it becomes either more expensive or unavailable, both of those have deleterious impacts to economic growth. And we’re kind of in what I call the “biophysical gauntlet” right now, which is that oil, we’ve found all the Beverly Hillbilly Oil 60 to 70 years ago that was bubbling right under the surface, and now we have to drill deeper, drill further offshore; create things that aren’t really oil and process them into oil, like tar sands and oil shale. And all these things cost a lot more for the energy companies to produce. And society is reaching the point of being insolvent because of our claims and liabilities. And eventually we get to a point where the oil companies need higher and higher oil price in order to make a profit, but society can afford less and less. And at some point those two prices of oil cross and we have a real problem. You know, right now, the marginal barrel of oil costs between $70 and $90, so there’s a little bit of a cushion in there now. But a lot of people say above a hundred dollar oil, it has significant economic headwinds. So at some point there, dollars don’t become an accurate measure of our real natural resource balance sheet.

And as you know, part of the tenets of biophysical economics is measuring our natural resource endowments in natural resource terms, themselves. For example, Energy Return On Investment (EROI) is how much energy it takes to get one unit of energy in our society. And 70, 80 years ago, we would invest one barrel of energy to get out a hundred barrels of oil, and that 100:1 ratio declined to 30:1 in the 1970’s, and it was around 10:1 in the year 2000, and the EIA stopped producing data on how much energy it takes to get energy. So we can kind of interpolate it now, but it’s clearly under ten in single digits. And you eventually get to a point, even if oil is $100,000 dollars a barrel, or $1 million dollars a barrel, if it takes one barrel of oil to get out barrel of oil, you’re kind of out of gas at that point.

(mais…)

Read Full Post »